Guia completo para visitar Menorca

Mapa Ilhas Baleares

A ilha de Menorca (ou Minorca) faz parte do arquipélago espanhol das Ilhas Baleares junto com Ibiza, Maiorca e Formentera. É um daqueles paraísos de praia azul turquesa e estilo dolce-vita de viver do mediterrâneo, sabe? Aqui no blog já rolaram vários posts sobre os cantinhos especiais da ilha, mas ainda faltava trazer um guia completo pra quem tem mais curiosidade sobre o lugar. Se você tem planos de viajar pra lá (ou ficou se coçando pra saber mais), segue lendo!

Raio-x de Menorca

Menorca é a mais sossegada e a segunda maior ilha do conjunto das Baleares. Tem 53 km de largura e aproximadamente 700 km² de área. A população da ilha é de 94 mil habitantes (censo de 2010) e a moeda local, o euro. Lá, fala-se espanhol e também catalão, mas os locais têm ainda o seu próprio dialeto: o catalão menorquino, uma variação do catalão. Pra mim, é bonito e incompreensível! Com um espanhol arranhado ou até mesmo com inglês dá pra se virar bem.

A ilha tem oito divisões administrativas: Ciutadella, Ferreries, Es Migiorn Gran, Es Mercadal, Alaior, Sant Lluís, Es Castell e Maó (ou Mahon). O município de Maó é a capital e Ciutadella, a capital antiga e também um ponto importante da ilha.

Mapa Menorca

Um pouco de história

Menorca tem indícios de ter sido habitada na pré-história. Cavernas, tumbas e monumentos de pedra ainda presentes na paisagem local indicam que lá viveram povos primitivos acredita-se que entre 4.000 a 400 a.C. (entre Idade da Pedra Polida e Idade do Bronze).

Caverna Menorca

Ainda a.C, Menorca foi habitada pacificamente por Fenícios e Gregos atraídos pela localização favorável no mediterrâneo para expandir os negócios. Outra civilização nem tão pacífica assim, a Cartaginesa (ou Púnica), chegou depois e alistou os melhores homens da ilha para lutar nas Guerras Púnicas contra Roma.

Em 123 a.C, os romanos conquistaram Menorca e lá se estabeleceram até mais ou menos metade do primeiro século d.C. De lá adiante, resumidamente, Menorca passou pela mão do Império Bizantino, dos Árabes, se tornou independente, voltou a ser dominada, fez parte do Reino de Aragón, Reino de Espanha, foi dominada pelos ingleses, franceses e franco-espanhóis até que em 1802 a ilha foi definitivamente entregue à Espanha. Ufa!

Quem tiver interesse em saber mais detalhes da história de Menorca, neste link aqui tem tim-tim por tim-tim (em espanhol).

As praias da ilha

As praias são as verdadeiras jóias de Menorca! São mais de 100 pedacinhos de costa pra explorar. Cada praia ou enseada tem o seu tom de azul ou verde ou, às vezes, todos os tons harmoniosamente misturados. A areia do sul da ilha é predominantemente branca e fininha, enquanto a do norte é mais grossa e escura, mas não por isso menos acolhedora (a Cala Pregonda que o diga!). Algumas das praias mais populares são Macarella e Macarelleta, Cala en Porter, Cala En Turqueta, Son Tomas, Cavalleria e Cala Mitjana. Outras fantásticas são a Cala Morell, Sa Mesquida e Cales Coves.

Vale lembrar que são poucas as beiras de praia que oferecem alguma estrutura de quiosques, então é bom ir com a mochila abastecida. Ah, e como boa parte da ilha é protegida ambientalmente, canelar um pouquinho é comum, já que os estacionamentos são afastados.

Cala Pregonda Menorca

Comes e bebes

Como boa ilha no mediterrâneo, os frutos do mar são o carro chefe. A caldereta de langosta é um prato típico, assim como a paella negra. O queijo de Maó, os embutidos e os pães doces que saltam aos olhos das vitrines das patisseries também são característicos de lá. Bons restaurantes estão espalhados por toda a ilha. Alguns famosos são o Es Pla e o Es Cranc, ambos na vila de pescadores nada pobre de Fornells; o Windmill Restaurant e o Ca n’Olga em Es Mercadal; e o Son Granot em Es Castell.

A bebida típica de Menorca é a pomada, um drink feito com um gin local, o Gin Xoriguer, e suco ou refrigerante de limão. Um sucesso!

Las fiestas e vida noturna

Durante o verão, as vilas de Menorca promovem fiestas populares que viram a noite. Locais e turistas enchem as ruas para assistir a desfiles de cavalos e, claro, beber muita pomada. A fiesta mais popular é a de Sant Joan promovida por Ciutadella, que abre a temporada dos fins de semana festivos.

Balada não é o forte de Menorca, mas dois lugares merecem destaque: a Cova d’en Xoroi, uma boate que fica dentro de uma caverna na beira de um penhasco (de dia é um mirante sensacional), e a Space, a versão menorquina da baladona de Ibiza.

Como se locomover

Existe uma linha de ônibus principal, a Transportes Menorca. Ela circula pelo centro da ilha interligando os municípios de Ciutadella, Ferreries, Es Mercadal, Alaior e a capital Maó a algumas praias do sul. Neste link aqui você encontra todos os horários e rotas que a companhia faz. O big problema é que o ônibus não chega aos lugares mais especiais da ilha, o que torna a escolha pelo ônibus um tiro no pé.

O meio de locomoção mais indicado para explorar Menorca é de carro. Empresas como a Hertz, Europcar e Avis estão presentes por lá e entregam o carro alugado no aeroporto. De lá adiante, você só vai precisar de um mapa e da Permissão Internacional para Dirigir (veja aqui como tirar).  As estradas são ótimas de trafegar (são europeias, né?) e o visual tanto da costa quanto do interior rural são belíssimos. Ah, é bom fazer a reserva do carro com antecedência!

A terceira opção é o táxi, escolha certa para quando for beber uns bons drinks. Lá a lei seca funciona!

Quando ir

A alta temporada em Menorca vai do fim de junho a início de setembro, sendo que as duas primeiras semanas de agosto são as mais lotadas – e também as melhores pra quem gosta do calorão. Os hotéis geralmente ficam abertos entre os meses de abril a outubro.

Como chegar

Saindo da Espanha ou das ilhas vizinhas Ibiza e Maiorca se chega a Menorca de avião ou de barco.

Onde dormir

Como a ilha é pequena, o melhor é estabelecer base em um só lugar independente da quantidade de dias que for ficar. Maó e Ciutadella são áreas mais turísticas e, por isso, mais lotadas. Para curtir o ambiente tranquilo de Menorca, eu sugiro se hospedar fora da muvuca. Cala en Porter, por exemplo, tem boa infra-estrutura e sossego ao mesmo tempo.

Há a opção de ficar em hotel, apart-hotel, apartamento, vila, casa rural, albergue e até camping. Se a sua estada for mais longa, o ideal é alugar um imóvel de temporada e aproveitar o ar do mediterrâneo como os locais. Este site aqui traz várias opções de hospedagem.

É bom saber…

A eletricidade em Menorca é de 220 V.

A água da torneira não é própria para consumo. Comprar galões nos supermercados e deixar no local onde ficará hospedado é uma boa maneira de economizar.

Por lá o nudismo é permitido. Não se assuste com os peladões e respeite o costume local.

Mais informações sobre Menorca podem ser encontradas nos sites Disfruta Menorca e Visit Menorca.

Como eu fui parar lá?

Eu passei uma temporada de dois meses em Menorca no verão de 2008. Não fui a passeio, fui a convite de um amigo trabalhar em um bar na Playa de Fornells, o bar Okapi. Trabalhava como bartender à noite e explorava a ilha de dia. Foi fantástico!

Bar Okapi Menorca

Conhecendo Cala Pregonda, enseada no norte de Menorca

Cala Pregonda Menorca

Cala Pregonda Menorca

Cala Pregonda Menorca

Cala Pregonda é uma das mais de 100 praias de Menorca, a segunda maior ilha do arquipélago das Ilhas Baleares pertencente à Espanha. Como a própria palavra em espanhol ‘cala’ já diz, Pregonda é uma enseada, um cantinho de costa recortada que forma uma baía calminha do encontro com o mar – neste caso mar mediterrâneo! É ótima pra mergulho ou pra não fazer nada…

Por ser localizada no norte de Menorca, Cala Pregonda tem areia escura e grossa característica das praias deste lado da ilha (as do sul tem areia branca e fininha). É uma praia rochosa e é cercada por ilhotas que impedem qualquer vento mais forte de chegar até a areia. Como ela fica em uma área protegida de reserva marinha, não conta com nenhuma estrutura (quiosques, banheiros etc) e o acesso não é dos mais fáceis.

Cala Pregonda Menorca

Pra chegar até lá, é preciso deixar o carro no estacionamento da praia Biminel-Là, que fica a uns 30 minutos a pé de Pregonda. A partir daí é expresso canelinha mesmo! Caminhando e cantando e seguindo a trilha chamada Camí de Cavalls – a trilha circunda toda a ilha de Menorca e é usada pra chegar às praias mais inacessíveis. O caminho é silencioso e o cenário quase árido, mas sensacional!

Cala Pregonda Menorca

Outra maneira de chegar a Pregonda é de barco, alugando um pra uso particular ou embarcando em uma excursão com outros turistas felizes. Neste site você encontra algumas empresas que prestam estes serviços com os telefones pra contato.

Cala Pregonda Menorca

Cala Pregonda Menorca

Cala Pregonda Menorca

Ah! Pros desavisados, na Cala Pregonda o nudismo é permitido, então sem sustos. Vale lembrar também que é bom levar água e comes e, sempre, um saquinho pra carregar o lixo embora. De resto, é só aproveitar!

Outros posts sobre Menorca que já rolaram por aqui…

Cap de Cavalleria
Menorca: quatro praias de cair o queixo
Cala en Porter, mais uma de Menorca
Playa de Cavalleria e Cala Torta, Menorca
Cala Morell: enseada rochosa em Menorca
Cova d’en Xoroi: Menorca do sunset ao amanhecer
Macarella e Macarelleta, Menorca
Praias de Menorca: beleza e quietude

Siga o Terminal de Embarque nas redes sociais:

instagram.com/terminaldeembarque
facebook.com/TerminalDeEmbarque
twitter.com/tedeembarque

Cap de Cavalleria, Menorca

Cap de Cavalleria

Cap de Cavalleria

Cap de Cavalleria

Cap de Cavalleria

Cap de Cavalleria é o ponto mais ao norte de Menorca (Ilhas Baleares, Espanha). Fica no finalzinho de um pedaço de terra que se estende até cerca de 4 km do resto da ilha, como um braço. A área é inabitada e bem remota, mas é um pit stop interessante pra quem estiver passando de carro pela região.

A paisagem é dramática, bem diferente das praias de água azul turquesa que costumo mostrar aqui no blog. Rochas, cavernas, mar mais revolto e pouca vegetação. Lá tem um farol do século 19 e um museu, o Ecomuseu de Cap de Cavalleria, que exibe vestígios arqueológicos da cidade romana de Sanisera estabelecida ali no primeiro século a.C, um dos melhores testemunhos da permanência romana em Menorca. Vale a visita!

Veja outros posts de Menorca:
Menorca: quatro praias de cair o queixo
Cala en Porter, mais uma de Menorca
Playa de Cavalleria e Cala Torta, Menorca
Cala Morell: enseada rochosa em Menorca
Cova d’en Xoroi: Menorca do sunset ao amanhecer
Macarella e Macarelleta, Menorca
Praias de Menorca: beleza e quietude

Siga o Terminal de Embarque nas redes sociais:
facebook.com/TerminalDeEmbarque

twitter.com/tedeembarque
http://instagram.com/terminaldeembarque

Menorca: quatro praias de cair o queixo

Macarella e Macarelleta, Menorca

1. Macarella. Praia de mar azul turquesa tranquilo onde os cheios-da-grana da Europa ancoram seus barcos para dar uma mergulhadinha. Macarella, que fica no sul de Menorca, reserva ainda outra praia dos deuses: Macarelleta, um paraíso escondido na terra! Veja o post completo de Macarella e Macarelleta neste link aqui.

Cala en Porter

2. Cala en Porter. Pequena vila localizada no sul de Menorca com boa estrutura de restaurantes, bares e lojas. É uma opção bacana para famílias com crianças pequenas se hospedarem, já que não é tão movimentada quanto outras praias mais populares da ilha. Clique aqui para ver o post especial sobre Cala en Porter!

Cala Morell, Menorca

3. Cala Morell. É uma enseada pequena que também faz parte do time de belezuras do sul de Menorca. Mede só 80 metros de comprimento e 50 de largura, mas nada a impede de ser uma praia de tirar o chapéu (o óculos, o chinelo e cair na água!). O visú diferenciado fica por conta das rochas e falésias que emolduram a baía. Confira aqui mais cliques de Cala Morell.

Cala Torta

4. Cala Torta. Ela é vizinha da Playa de Cavalleria, uma das praias mais populares do norte de Menorca, mas não fica em segundo plano. Os nuances de azul e verde do mar contrastam com a terra vermelha da costa e formam uma paisagem super colorida. Saiba mais sobre Cala Torta e Playa de Cavalleria clicando aqui

24 horas em Ilhabela

Dicas Ilhabela

1 dia e nada mais. Esse foi o tempo que tive pra conhecer Ilhabela durante a minha viagem de fim de ano pro litoral norte paulista – já viu o post das outras praias? Tão pouco tempo pra um lugar tão gostoso!! O motivo de ter curtido tanto? Ilhabela une o melhor dos dois mundos: natureza exuberante e infraestrutura de primeira. Não tem como não gostar… O bom é ter saído de lá com a promessa de um dia voltar…

Mesmo passando um diazinho só, consegui aproveitar um pouco dos principais atrativos da ilha: o mar, o centrinho chique à moda europeia e a aconchegante rede hoteleira.

Dicas lhabela

O centrinho histórico de Ilhabela, mais conhecido como Vila pelos moradores, é o lugar pra encerrar o dia bem. Bares, restaurantes, cafés e galerias de artesanato se misturam harmoniosamente com a igrejinha antiga da ilha e lojas de antiguidades. A famosa Rua do Meio concentra bastante comércio, por isso é um ponto bacana pra começar o passeio. Uma caminhada pelo píer ao entardecer também promete momentos bem agradáveis. Restaurantes de bom gosto existem aos montes! A minha dica é passear pelas ruas até encontrar aquele que mais te agrada.

A Ilha das Cabras é um dos locais mais indicados pra prática de mergulho na região. Ela fica a 120 metros de Ilhabela e o acesso é feito por bote. Empresas especializadas em mergulho alugam equipamentos para snorkel e oferecem o chamado “batismo” pra quem quiser experimentar a descida com cilindro pela primeira vez. Eu, já que ainda não curei do meu trauma de mergulhar com oxigênio (abapha!), fui de snorkel mesmo! Kkk. Sobre a vida marinha do local, achei abundante, mas pouco colorida. Talvez seja mais bonita em outras profundidades. Mesmo assim, valeu o banho gostoso de mar e a oportunidade de visitar mais esse lugar!

A dica de ouro pra visitar Ilhabela, ainda mais se for em alta temporada, é fazer o agendamento do horário na balsa que leva os carros do continente para a ilha. A fila de espera pode chegar a 3 horas fácil fácil! Eu fiquei sabendo desta possibilidade antes de viajar pra lá e, já que teria muito pouco tempo na ilha, garanti a vaguinha na balsa pro horário que eu queria. Quando nós chegamos na fila de embarque passamos na frente de pelo menos 500 carros, o que representou umas boas horas a mais na piscina do hotel. O agendamento é feito somente pela internet pelo sistema Hora Marcada. Esta regalia, é claro, tem seu preço. O valor da travessia, se agendada com antecedência, quase que dobra. Ainda assim, meu amigo… vale cada centavo!

Por último, mas jamais sem importância, use repelente em Ilhabela! Logo no café da manhã fomos devorados… e as picadas ainda estão aqui.

Amanhã tem review do hotel que fiquei por lá! Um charme só…

%d blogueiros gostam disto: